Eneida e o Baile do Pierrô

Em 1958, na casa noturna Au Bon Gourmet, em Copacabana,aconteceu a primeira edição do baile do Pierrô. Eneida, Waldemar Cavalcanti, José Condé, Darwin Brandão, Carlos Ribeiro, Léa Souza e Silva, Thiago de Mello resolveram que era preciso trazer, para os salões do Rio de Janeiro, uma evocação dos carnavais da belle époque, com aqueles toques poéticos que fizeram história.O pierrô foi importado da França e aqui conservou aquele ar triste: sua fantasia simples e a cara mascarada de branco, os olhos pintados e bastante amargura na alma.A sua melancolia se exterioriza quando encarna o apaixonado, o incompreendido, saudoso da colombina que foi embora, deixando saudades imensas.
Um baile organizado nos melhores moldes, um exemplo de ordem a ser imitado, muita bebida e bastante lança-perfume sem nenhuma arruaça para tirar o brilho da festa: assim foi o baile do pierrô. A lotação do restaurante é de cento e oitenta pessoas. Entretanto, duzentos e cinquenta pessoas festejaram até o dia amanhacer animadas por doses generosas do mais autêntico escocês e alimentadas por uma ceia bem servida e ao som de uma orquestra incansável. Enumerar todos os intelectuais e artistas que reviveram os pierrôs, as colombinas e os arlequins seria impossível.Mas vale lembrar que Eneida estava exuberante na sua festa…Texto adaptado (original Flávio Damm) e publicado na Revista O Cruzeiro.O último baile do Pierrô aconteceu na boate Sucata, em 1968.Na foto, a jornalista Eneida de Morais, autora do livro: História do carnaval carioca.

Comentários

Comentários

Visitado 56 Times, 1 Visita hoje

Post Relacionados