“O grito da liberdade” da Tuiuti em 2018

Quarta escola a entrar na Sapucaí, a Paraíso do Tuiuti levantou a Avenida. De forma surpreendente, a agremiação superou o trágico acidente com seu carro alegórico em 2016 e fez um desfile empolgante.

Com a pergunta-enredo “Meu Deus, meus deus, está extinta a escravidão?”. a escola de São Cristóvão , questionou o fim do trabalho escravo no brasil, 130 anos apos a assinatura da Lei Áurea no Brasil.

Considerada uma das escolas que brigariam contra o rebaixamento, a Tuiuti surpreendeu a todos conquistando o vice-campeonato. Segundo lugar com gostinho de primeiro.

Um dos seus destaques foi a comissão de frente “O grito da liberdade”, que arrancou aplausos de quem acompanhou o desfile. Sem acrobacias, mágicas ou escalafobéticos efeitos tecnológicos a comissão de frente da Tuiuti emocionou.

Escravos acorrentados conseguiam se libertar após serem açoitados por um feitor. Na evolução, os escravizados recebem ajuda de pretos velhos, entidades das religiões de matriz africana, que se apresentavam em corpo de velhos africanos escravizados que viveram nas senzalas. Em seguida, ao ir em direção de um escravo para açoitá-lo novamente, o feitor foi impedido por todos os pretos velhos. Agora, livre dos grilhões, o escravo comemora a liberdade.

O responsável por toda criação e encenação foi o talentoso coreógrafo Patrick Carvalho.
Com uma interpretação pungente os componentes vivenciaram a dramática relação entre um grupo de escravos e o seu algoz. Com sangue nos olhos cada um dos membros do grupo sabiam que representavam milhões.

Os milhões de escravos trazidos a força e os milhares de descendentes “aparentemente” brancos, certamente pardos ou negros que assistiam com encantamento ao dramático cortejo.

O recurso da “encenação” inúmeras vezes utilizado exige um exímio trabalho de atuação. Ha o risco de se tornar piegas ou mais do mesmo. Com simplicidade e verdade a realização foi nota dez.

O julgador da terceira cabine de jurados, tirou 0,1 decimo da comissão, devido a um movimento de um bailarino previsto na coreografia e que foi interpretado como escorregão.

Se não conseguiu unanimidade entre os juízes foi escolhida , numa enquete promovida pelo jornal O GLOBO e o EXTRA a realização artística que mais “bombou” no Sambódromo. Ao todo, foram 8123,45% dos votos, escolheram a comissão de frente da Tuiuti como o ponto alto das apresentações. A comissão também foi premiada com o Estandarte de Melhor comissão do ano.

A belissima foto é de Wigder Frota.

Comentários

Comentários