Eu não vim para explicar, vim para confundir

Anúncios

O destinos de duas agremiações do carnaval carioca, Grande Rio e Império Serrano se cruzaram com o do mais tropicalista dos comunicadores brasileiro: Chacrinha.

No carnaval de 1987, o Império Serrano, com seu enredo “Com a boca no mundo, quem não se comunica se trumbica”, sugerido por Fernando Pamplona e desenvolvido por Ney Ayan, teve o apresentador Abelardo Barbosa como uma de suas referências.

O comunicador, acompanhado de suas chacretes e Elke Maravilha, estreou na passarela do samba, como figura central do carro alegórico que encerrava o desfile. Foi sua primeira e única participação na passarela do samba. Chacrinha morreria um ano e meio após esse desfile.

Anúncios

Houve críticas a irregularidade da concepção dos carros alegóricos, mas de uma maneira geral a escola da serrinha mereceu a boa classificação: terceiro lugar.

Trina e um anos depois, o genial apresentador voltou a inspirar o carnaval da Sapucaí. A Acadêmicos do Grande Rio desenvolveu o enredo “Vai Para o Trono ou Não Vai?”.

Contando com a experiente dupla Renato e Márcia Lage, no seu primeiro carnaval na escola, a Grande Rio entrou para levar o título. Mas devido ao seu desfile caótico quase ganhou o troféu abacaxi, ficou em penúltimo lugar, “caindo” para a série A.

Um carro empacado na concentração destruiria os planos da escola. A última alegoria, que mostrava a infância de Chacrinha em Pernambuco, quebrou. O enredo contou de trás para frente a história de Abelardo Barbosa nos veículos de comunicação. Diante do problema os componentes pararam atrasando a evolução. Os cinco minutos do tempo estourado por conta do problema custaram cinco décimos na pontuação. E foi justamente no quesito alegorias e adereços que a Grande Rio perdeu mais pontos. Não houve nenhum 10. As notas de harmonia, alegoria e adereços, descredenciaram a permanência da agremiação no grupo especial.

A coirmã da Serrinha, que na década de oitenta, conseguiu um merecido terceiro lugar com o mesmo homenageado, ficou em último lugar. Após oito anos no grupo de acesso fez um desfile que apostava na emoção, mas que não sensibilizou muito os juízes. Além de uma profusão de notas baixas, a verde e branco foi punida pela apresentação curta, com 63 minutos, quando são 65 no mínimo.

Entretanto, Grande Rio e Império, caíram, mas não caíram! Um pouco confuso, não? Em vinte e oito de fevereiro, uma virada de mesa: os dirigentes das escolas de samba, em plenária na sede da Liesa, decidiram que as duas escolas teriam seu rebaixamento cancelado. A entidade alegou ter tomado a medida considerando as dificuldades financeiras pelas quais passaram todas as agremiações devido aos cortes nos repasses de verba pela prefeitura do Rio.

Para pedir a exclusão do rebaixamento, a Grande Rio se baseou no precedente aberto em 2017, quando a Unidos da Tijuca foi poupada do descenso devido a um acidente com uma de suas alegorias. Apenas Mangueira e Portela não apoiaram a mudança do regulamento na plenária. O carnaval de 2019, do Grupo Especial, terá quatorze agremiações.

O Ministério Público, no entanto, exigiu que a Liga assinasse um termo de ajustamento de conduta, para impedir uma próxima “virada de mesa”.

Subiu, caiu e acabou permanecendo. Confuso? Como dizia o velho guerreiro: “Eu não viu para explicar, vim para confundir”

Comentários

Comentários

Anúncios

Visitado 848 Times, 7 Vistas hoje

Post Relacionados