O esplendor da Copa da Rússia

A Copa acabou. Por que não ir pensando numa fantasia, para o próximo carnaval, que traduza o sucesso do último grande evento do esporte bretão?

Saí em busca de algum traje que desse conta da dimensão que teve o grande evento esportivo nas terras de Lênin.

Eis que encontrei essa bela vestimenta, apresentada num concurso de fantasias, no Rio de Janeiro, em 1972. Tinha a imagem, mas não o nome da indumentária. Entretanto, as referências à cultura russa eram claras.

Que fantasia seria essa? “Ascenção e queda de Ivan o Terrível”? “As torres encantadas da fortaleza vermelha”? “Grandeza e opulência da Rússia imperial”? Qualquer nome desses caberia, pois não resta dúvida que a imaginação do criador da bela indumentária foi navegar no encantamento da cultura eslava do norte.

A centralidade da figura masculina e um certo ar blasé nos remetes aos imperadores da antiga Rússia. “Glória aos Czares” talvez sintetize o papel que esses autocratas possuem nas terras geladas do norte. Ditadores que nem a Revolução Bolchevique conseguiu varrer das páginas da história . É indiscutível que hoje a Rússia revive na figura do seu governante o autoritarismo dos tempos dos Romanovs.

Seria melhor, então, ser mais direto: “Elegia a Putin”. Uma síntese da autocracia czarista em tempos contemporâneos: domina territórios, envenena opositores, reprime manifestações e, lógico se eterniza no poder. Homenagem coerente.

Mas haveria um risco: o atual presidente poderia achar que o excesso de paetês e canutilhos rementem a uma estética homossexual e mandar prender o desfilante e torturar as costureiras. Melhor arranjar outro nome. O presidente Putin abomina os gays.

Observem as cores: o traje é todo branco, com vários tons de azuis sobrepostos. Pode ser uma pista para o real significado da fantasia. A “Rússia Bleu” seria uma bela homenagem a seleção vitoriosa na Copa de 2018? Uma consagração a uma equipe multirracial, que representou como nunca uma nova Europa.

Será que a fantasia faria sucesso louvando a vitória francesa, numa Copa em que o Brasil foi derrotado?
A seleção canarinho perdeu da Bélgica por 2 a 1, nas quartas de final, e ficou em sexto na classificação geral da competição. Acho que tal ousadia não faria muito sucesso.

Na vida real, se é que existe vida real para quem trabalha com sonhos, o azul da fantasia remete ao luar. Uma noturna lua perdida num firmamento azul esbranquiçado. Nas regiões próximas ao polo norte, as noites são brancas. As noite ficam, como os dias, claras.

Foi assim que Evandro de Castro Lima, desfilou no Municipal, em 1972. Gastou vinte mil cruzeiros em sua fantasia, inspirada na arquitetura russa e feita especialmente para o desfile do Teatro Municipal. A roupa pesava 65 quilos.

Ganhou o primeiro prêmio, mas não sozinho. No ano de 72 tivemos um inusitado empate no 1º lugar, em luxo masculino. O fato aconteceu porque Ivo Pitanguy , presidente da mesa que julgou as categorias luxo, não quis optar entre Moscou ao Luar, e a Sagração da Primavera em Tempo de Rosas, de Mauro Rosas.

Evandro ainda saiu vitorioso, com a mesma fantasia, no baile do clube Monte Líbano, foi considerado hors-concours, recebendo um prêmio no valor de 7 mil cruzeiros e uma viagem a Beirute.

Naquele ano o tumulto marcou o concurso de fantasias do Teatro Municipal. Talvez um prenúncio da decadência desse tipo de certame. Uma triagem inédita, na categoria originalidade, foi organizada no domingo. Os foliões reclamavam da paralisação do baile para que o desfile acontecesse. A ideia inicial era de acabar com o desfile do luxo masculino. O fato é que a inovação provocou um esvaziamento de concorrentes: dez no luxo masculino e quatro no feminino.

Houve, também, uma polêmica com relação ao valor dos prêmios. A verba anunciada pela comissão organizadora era menor que a costumeira. Um grupo de senhoras de instituições de caridade queriam reduzir os custos dos desfiles para dar mais dinheiro para as instituições. Entretanto, os valores reivindicados foram viabilizados através de patrocínios.

Como podemos ver, a interferência do poder público, seja com Crivella ou Chagas Freitas, pode atrapalhar, mas nunca vence a força da alegria e da beleza!

Para quem se habilitar, fica a sugestão, a gloriosa fantasia “Moscou ao Luar”, pode ser uma bela homenagem a Copa, no próximo carnaval.

Carlos Alberto Torres, o Capita

Hoje, 25/10/2016 morreu o Capitão da seleção de 1970, Carlos Alberto Torres. O Capita, como sempre foi chamado, morreu de infarto fulminante enquanto fazia palavras cruzadas. Tinha 72 anos. Foi jogador do Fluminense, Santos, Botafogo, Flamengo e New York Cosmos. Foi o primeiro capitão da seleção a beijar a taça Jules Rimet .

Publico o registro de um momento de alegria: Em 1983, o grande jogador curtia o carnaval no Baile da Cidade do Rio de Janeiro.

Acompanhado do prefeito Júlio Coutinho , da esposa Terezinha Sodré e do casal Franz Beckenbauer, era um craque também na folia.

É proibido cheirar lança-perfume

Composto de uma mistura em que o perfume é dose mínima, firma o lança-perfume seu prestígio no éter ou na cloretila, anestésicos que lhe dão a propriedade de causar super-excitação discreta, seguida de um estado de euforia mais tarde transformado em agitação desordenada,Embora com poucas possibilidade de acidentes mortais, não só por ser reduzida a dose nárcótica,como também por sua capacidade de eliminar-se com rapidez, é o anestésico do lança-perfume muito irritante para mucosa respiratória. Tem acentuadas consequencias sobre o aparelho circulatório e determina efeitos que se traduzem por sonhos e pela anulação da consciência, com perda da reflexão e da sensibilidade. A morte, no entanto, poderá vir pela paralisia dos centros nervosos, sobretudo dos que dirigem a respiração. Estas e outras circunstâncias determinaram a proibição policial do lança-perfume.

Texto: Janio de Freitas.
In Revista Manchete,1956